segunda-feira, julho 1

Brazil, agora!








Se tem discutido ultimamente sobre liberdade de expressão, politica, manifestação... e como na Europa, na era da expansão protestante, onde muitos criavam uma teoria de qual era a maneira correta de se interpretar a bíblia católica e a natureza do Deus cristão. Hoje o Brasil vive a mesma "revolução", tal como a "primavera Arabe", os brasileiros usaram as redes sociais para se comunicar e marcar as marchas rumo a mostrar suas reivindicações, cansado pelos constantes aumentos abusivos dos transportes publico e conhecendo o serviço lá fora, multidões marcharam em prol comum. Infelizmente apenas algumas capitais obtiveram sucesso, enquanto outras foi esquecida pelos seus governantes, creio  eu, que eles acreditavam que quando São Paulo parasse, suas cidades perderiam fôlego e parariam também.

Mas o que me veio em mente é a discussão de quem é o mais "crente" ? O "boy" classe média que reivindica pelo direito de quem usa transporte publico, sendo que ele tem carro? O evangélico, que acredita que seu modo de vida deve ser vivido por todos, pois caso contrario podemos nos tornar um Sodoma ou Gomorra? Ou o pobre trabalhador que a única opção é se abster de toda essa revolução, pois deve trabalhar para ter seus R$ 678,00?

A questão é: cada um tem sua visão de mundo, 
suas ações, são o reflexo de seus medos, desejos, valores, coragem. Por mais nobre que seja seus desejos, machucar o Boy, porque te revolta, alguém que "tem tudo" lutar pelos direitos de outros que precisam trabalhar, pois não tem opção, lhe seja irônico, não ele não pode?

Se seu líder disse que é melhor você não cortar o cabelo pois Jesus condena, talvez o líder da sua vizinha que corta cabelo tenha dito o mesmo, então você não tem o direito de cortar ou forcar a cortar o cabelo, assim como ela não o tem.

Mas uma coisa é certo, temos que nos organizar e continuar a exclamar que cansamos de trabalhar 150 dias para pagar o bom convenio medico do prefeito, o colégio chique da filha do vereador, os 100 empregados do deputado, já vimos que dar certo discutir coisas em comum, então se cada um fiscalizasse seus candidatos e históricos políticos, já seria um grande começo! Parabéns Brasil, não tenho raiva se alguns demoraram um pouco pra acordar. Fico feliz que ele tenha acordado.

Então, antes de criticar o outro, lembre que dependendo da critica, isso pode machucar, talvez leve a pessoa a desacreditar nela e você, pode ser a razão do sofrimento de muitas gerações!